terça-feira, 13 de julho de 2010

Todo lugar é lugar de orar

Na minha angústia, invoquei o SENHOR, gritei por socorro ao meu Deus. Ele do seu templo ouviu a minha voz, e o meu clamor lhe penetrou os ouvidos — Salmos 18.6
Veja onde foi que Jonas orou: no ventre do peixe. Nenhum lugar é impróprio para a oração. "Quero, portanto, que os varões orem em todo lugar" [1Tm 2.8]. Onde quer que Deus nos lance, podemos achar um caminho aberto em direção ao céu, exceto por nossa própria indisposição. Os céus são igualmente acessíveis de qualquer parte da terra. Aquele que, pela fé, tem Cristo habitando no seu coração, para todo lugar que for leva consigo o altar que santifica a oferta e é, em si mesmo, um templo vivo. No caso, Jonas estava confinado; o ventre do peixe era a sua prisão, um calabouço apertado e tenebroso. Mas, mesmo lá, ele tinha liberdade para ter acesso a Deus, e manteve comunhão com ele sem impedimento algum. Os homens podem nos impedir de estar em comunhão uns com os outros, mas não podem nos impedir de estar em comunhão com Deus. Jonas estava agora no fundo do mar, mas das profundezas ele clama a Deus, da mesma maneira que Paulo e Silas na cadeia, presos no tronco. A quem Jonas orou: ao Senhor seu Deus. Ele estava fugindo de Deus, mas agora compreende a loucura disso e volta para ele. Pela oração ele se aproxima daquele Deus de quem tinha se apartado, e aplica o coração para se aproximar dele. Na oração, o profeta percebe Iavé não apenas como o Senhor, mas como o seu Deus: o Deus que tem uma aliança com ele, porque, graças a esse Deus, nenhuma transgressão da aliança nos exclui dela. Isso serve estímulo até mesmo aos filhos desviados para que retornem.

[Leia Jonas 2]
Autor: Matthew Henry (1662–1714)Fonte: Daily Readings, Randall J. Perderson (org.), Chistian Focus pub., 2009, "January 14".
Tradutor: Marcos Vasconcelos
www.mensreformata.blogspot.com


 

  © 2009 Mens Reformata

True Contemplation Blogger Template by M Shodiq Mustika